O comportamento humano é ditado por aspectos tanto internos quanto externos. As influências do ambiente determinam não só as nossas ações como também as nossas sensações. O efeito das cores na iluminação, por exemplo, tem a capacidade de interferir diretamente nas atividades do nosso cotidiano.

Ficou curioso para saber como isso acontece? Então você não pode deixar de continuar a leitura deste artigo! Nele, mostraremos o impacto das principais cores, como adaptar cada ambiente às tonalidades corretas de iluminação e quais os benefícios desse ajuste para a nossa qualidade de vida.

Efeitos das principais cores em nosso comportamento

Cada cor tem uma efeito e, com elas, vem as diferentes ações perante o nosso comportamento. Entre as principais cores e os seus efeitos estão:

  • o azul, que está ligado à sensação de liberdade e plenitude, e é um tom comumente associado à calma;
  • o laranja, uma cor dinâmica e viva que estimula a área do cérebro responsável pela comunicação;
  • o vermelho, que está ligado à energia e, por isso, é importante que a sua utilização seja dosada, pois em excesso pode gerar irritabilidade;
  • o violeta, a cor que tem propriedades ligadas ao relaxamento, ainda mais quando a sua tonalidade é mais clara;
  • o branco, que é responsável pela sensação de amplitude e atenção;
  • o amarelo, aquela cor que traz a sensação de conforto e relaxamento;
  • o verde, que traz a sensação de naturalidade, muito associado à cura e relaxamento.

Formas de adaptar cada ambiente às tonalidades corretas de iluminação

A iluminação natural no início do dia e no final dele tem um índice de temperatura de cor mais baixo — em média 3.000k, um tom avermelhado — e, por isso, está associado a um período mais calmo. Quanto mais próximo do meio-dia, o índice aumenta para cerca de 5.000k (branco), o que denota o nosso período de maior produtividade.

Logo, é comum que em escritórios, hospitais e lugares que exijam atenção plena sejam utilizadas cores como o branco na iluminação. Agora, em lugares de relaxamento, como salas de estar, o amarelo e o alaranjado são a preferência.

O ideal, antes de aplicá-las, é levar em consideração as sensações que você deseja que o ambiente transpareça e combiná-las de acordo com a decoração disposta no local. Não se esqueça de evitar contrastes muito grandes e a total monocromia. Afinal, os espaços precisam de equilíbrio, independentemente de sua proposta.

Vale lembrar que, dependendo da lâmpada colocada em um espaço, a cor pode ser ressaltada ou não. Para isso, é importante levar em consideração o IRC (Índice de Reprodução de Cor) que, quanto mais próximo de 100, maior será a fidelidade de reprodução da tonalidade.

Benefícios desse ajuste para a qualidade de vida

O bom uso de cores traz uma série de benefícios tanto para a nossa qualidade de vida quanto para o nosso desempenho no trabalho. Logo, é necessário avaliar cada uma delas para garantir as vantagens necessárias em cada atividade realizada.

Por exemplo, você pode aumentar a sua criatividade e capacidade argumentativa inserindo o laranja em seu espaço de trabalho. Agora, se precisa de relaxamento na hora de dormir, o ideal é colocar a iluminação amarelada ou a cor violeta em alguma parede do quarto.

Saber o que cada cor significa ajudará a inseri-las de maneira adequada tanto na iluminação quanto na decoração dos espaços para aumentar a sua produtividade e capacidade mental ou para o seu relaxamento — tudo depende da proposta do ambiente. Vale a pena ressaltar que também é necessário avaliar as sombras, além de contraste e ofuscamento. Assim, será possível obter o máximo de aproveitamento das cores.

Viu como o efeito das cores na iluminação pode determinar quais as sensações você terá e motivar os seus comportamentos? Por isso, não se esqueça de avaliar bem as cores antes de inseri-las em um ambiente.

E aí, gostou do conteúdo do post? Então aproveite e aprenda agora mesmo sobre o ciclo circadiano e como ele impacta as nossas vidas!

Powered by Rock Convert