3 dicas para escolher a paleta de cores na decoração da sua casa

3 dicas para escolher a paleta de cores na decoração da sua casa

Uma das etapas que, certamente, mais exige tempo e dedicação de quem está planejando cada detalhe da nova casa é a escolha da paleta de cores na decoração, não é verdade? E isso não é para menos, já que ela influencia diretamente na iluminação, no conforto e na otimização dos espaços.

Por isso, é tão importante escolher os tons que, de fato, se adequam a cada local. Para ajudá-lo nessa tarefa, apresentamos 3 dicas fundamentais para você fazer a escolha da paleta de cores na decoração. Acompanhe e inspire-se!

1. Leve em conta o estilo da decoração

A primeira dica é bem simples: leve em conta o estilo de décor do seu lar. Afinal, ele dita quais serão as tonalidades usadas não apenas nas paredes, mas também nos móveis, nos objetos decorativos, estofados, piso, etc. Muitos, inclusive, apresentam padrões bem específicos de cores, como é o caso do industrial e do retrô, enquanto outros, como o oriental, envolvem técnicas para promover o equilíbrio dos espaços.

Um exemplo clássico é o feng shui, de origem chinesa. Nele, as cores promovem a energização dos cômodos e fazem referências à natureza, promovendo uma ação terapêutica revitalizante nos moradores. Justamente por isso, é difícil se sentir à vontade em ambientes com tons escuros e abafados. Ao contrário, o amarelo, o azul, o verde e o branco imperam nas escolhas harmônicas.

2. Fique por dentro dos efeitos das cores

Fora o estilo adotado, é importante estar ciente do impacto visual que cada cor pode causar. Isso porque, segundo a psicologia das cores, o cérebro humano reage de modos diferentes quando exposto a um tom em evidência.

Ou seja, segundo o estudo proposto por Johann Wolfgang Von Goeth, elas têm a capacidade de afetar o nosso comportamento, mudar o nosso humor e, até mesmo, impactar a nossa saúde. Bastante coisa, não?  Por exemplo, o roxo tem efeito calmante e tranquilizante, enquanto o laranja é capaz de estimular a fome. O amarelo, por sua vez, nos mantêm alegres e agitados, embora o azul nos induza ao sono.

Logo, é interessante avaliar como elas nos influenciam para decidir o ambiente correto para aplicá-las, como o laranja na cozinha, o azul nos quartos, o amarelo na varanda, o roxo na sala de estar e por aí vai.

3. Teste novas possibilidades e variações

Para encerrar, não deixe de testar novas possibilidades para a paleta de cores na decoração. Na prática, isso significa explorar tendências do design de interiores, como o color blocking — que mistura tons vibrantes em blocos geométricos em uma mesma superfície — e o revestimento das paredes de tons neutros e claros com boiseries coloridas.

Além disso, você não precisa restringir o uso das cores apenas às tintas. O motivo disso é que está em alta a aplicação de papéis de parede e lambe-lambes em ambientações contemporâneas e modernas. Portanto, inove e se deixe levar pela criatividade!

Gostou das nossas dicas para acertar na escolha da paleta de cores na decoração? Não deixe de colocá-las em prática para potencializar a iluminação e o espaço dos recintos e, de quebra, torná-los ainda mais convidativos para você e as suas visitas!

Gostou do conteúdo? Aproveite e siga-no nas redes sociais para aprender outras dicas para transformar o seu lar! Estamos no Facebook e Instagram.

Iluminação indireta ou direta? Saiba qual é melhor para os cômodos

Iluminação indireta ou direta? Saiba qual é melhor para os cômodos

Cada cômodo da casa tem as suas especificidades e necessidades, mesmo que todos sigam um mesmo estilo de decoração. Elementos como a iluminação podem variar entre um quarto e um escritório, por exemplo. Logo, é fundamental conhecer como funciona a iluminação indireta e direta.

Neste artigo, discutiremos sobre a diferença entre esses tipos de iluminação, suas funcionalidades e também daremos algumas dicas de como escolher as luzes corretas para cada cômodo, valorizando ainda mais a arquitetura local. Confira!

Diferenças entre iluminação indireta e direta

A principal função da luz direta é iluminar um ponto específico de maneira intensa. Por exemplo, ela é bastante utilizada para chamar a atenção para um objeto decorativo, especialmente quadros e esculturas. Além disso, é a opção perfeita para ser colocada sobre mesas de escritório, que servem para estudo e trabalho. No entanto, o seu uso também pode ser aplicado a banheiros e até cozinhas.

A luz indireta, por sua vez, tem como função iluminar um espaço de maneira uniforme e suave. Ou seja, o seu foco é projetado em uma superfície qualquer, apenas para criar o reflexo que clareará todo o ambiente. Ela traz mais aconchego para o espaço. Por isso, o ideal é que seja utilizada em locais de convivência, como salas de estar e jantar, mas também nos quartos, por transmitir uma sensação de conforto.

Efeitos dos diferentes tipos de iluminação

Em locais que exigem concentração, a luz direta funciona como uma aliada por iluminar exatamente o que é necessário. Já nos espaços em que o conforto vem em primeiro lugar, a luz indireta cumpre melhor função, justamente por contrapor sombras e criar efeitos únicos, dando mais suavidade à iluminação.

É por isso que é tão importante ter cuidado na hora de escolher qual iluminação será usada em cada ambiente, para que você e a sua família possam tirar o máximo proveito dele.

Dicas para escolher a iluminação certa para cada ambiente

Confira algumas dicas que o ajudarão na hora de escolher entre a iluminação indireta e direta.

Analise a funcionalidade do cômodo

A primeira coisa a ser levada em consideração é a função do cômodo e os tipos de atividades que serão feitas nele. Por exemplo, uma sala de televisão precisa ser aconchegante e mais intimista para integrar as pessoas que ali estão. Logo, a iluminação indireta é a mais indicada.

Saiba qual a intensidade de iluminação em cada espaço

Se a sua casa possuir espaços integrados, no caso uma sala que pode ser usada como espaço de convivência e estudos, por exemplo, vale a pena mesclar os tipos de iluminação, apostando em luzes diretas e indiretas, uma luz indireta no teto e uma luminária de luz mais direta em cima da mesa de estudo. Logo, também é interessante que haja um variador de intensidade de luz no local. Isso ajuda a criar harmonia e atender às diferentes necessidades da família.

Spots, arandelas, luminárias: diferentes elementos podem ser utilizados na hora de criar a iluminação indireta ou direta. Por isso, é necessário estudar com cuidado cada espaço para criar o efeito de luzes mais adequado.

Nesses casos, o ideal é contar com uma empresa especializada em projetos de iluminação. Com isso, as chances de erro são quase nulas. Quer saber mais sobre o assunto? Leia o nosso artigo “3 benefícios de contar com uma empresa de iluminação no seu projeto” e conheça os benefícios dessa parceria!